Javascript - Habilite o javascript em seu navegador para poder logar e utilizar o site.
Blinking light Poste

Assemblage • Safra 2015 • Vinho

Pispi

92 Pontos | Descorchados

Mendoza • Argentina • 750 ml

Tipo
Corpo
Aromas e Sabores
Uva(s): Bonarda, Cabernet Franc, Malbec, Merlot, Petit Verdot.
Harmonização: Churrasco argentino, Cordeiro, Embutidos, Queijos maturados.
Ocasiões: Degustar devagar, Para curiosos, Presentear alguém.
Envelhecimento: 12 meses em barricas de carvalho francês de segundo uso.
Temperatura de Serviço: 18 ° C
Teor Alcoólico: 13,6 %
Volume: 750 ml

de R$360,00 por

R$ 320,00
Associado do Clube

R$288,00


CONHEÇA O CLUBE

Descrição Detalhada

Mosquita Muerta Wines é um daqueles projetos do mundo do vinho que simbolizam uma ode à criatividade. A começar pelo nome, que segundo o criador José Millan é uma referência carinhosa a uma feição de sua amada esposa. Bom, o que se pode tirar de conclusão de um apelido como esse é que o humor de Millan é ousado e pouco convencional, coincidência ou não, esses são justamente os atributos que fazem seus vinhos serem tão especiais. Aqui não estamos falando de uma vinícola clássica argentina, que valoriza a tradição e o padrão, muito pelo contrário, trata-se de um projeto nascido em 2010 para quebrar paradigmas e fazer diferente. Os 6 rótulos que compõem o portfólio de Mosquita Muerta Wines são todos cortes de alta gama, cada qual com sua essência distinta, com seu propósito de existir, com uma história diferente por trás de cada um deles.

Entre uma linha de rótulos com nomes como Malicioso, Sapo de Otro Pozo e Cordero con Piel de Lobo, acabamos escolhendo o Pispi para compor a Seleção Révolution de Março de 2019. Segundo os devaneios criativos de José Millan, “Pispi é aquele que está onde não lhe convidaram, aquele que opina quando sabe e também quando não sabe, aquele que busca o protagonismo, desperta ódios e paixões, mas nunca passa despercebido”. Para construir a identidade desse exemplar foram selecionados vinhedos em 5 terroirs diferentes de Mendoza: Pedriel (930 msnm), Altamira (1080 msnm), Medrano (630 msnm), La Consulta (1020 msnm) e Tupungato (980 msnm). Dentre tantas qualidades que eu poderia atribuir a esse vinho, nenhuma delas seria “um clássico”, pois sua grandeza está exatamente no fato de conseguir negar isso de uma forma tão bela, mesmo tendo nascido em uma das mais clássicas regiões vitivinícolas do mundo.

Texto do Sommelier Rodrigo Ferraz - Direitos Reservados